sábado, 28 de agosto de 2021

Iron Maiden - Virtual Tour, Festa de Aniversário da 89 FM


 

Em 1998, a 89FM comemorou 13 anos com três atrações de peso do hard rock nacional e europeu, que estavam sempre em alta rotação na programação diária da estação. Os ingleses do Iron Maiden, os alemães do Helloween e os brasilienses dos Raimundos se apresentaram no dia 05 de dezembro,  em um evento organizado na concentração do Sambódromo Anhembi. O público estimado foi de 25 mil pessoas.
A vinda do Iron Maiden ao país coincidiu com o relançamento de seus primeiros 12 CDs pela gravadora EMI. Todos os discos vinham com faixas bônus de material inédito ou lançado como lado B de compactos durante os então 22 anos de heavy metal da "donzela de ferro".
Além disso, os discos traziam faixas interativas, que podiam ser assistidas em um computador mostrando vídeos, bastidores, biografias de seus integrantes e textos escritos por Mick Wall, ex-jornalista da bíblia do metal britânico, a revista "Kerrang!".
Além disso,  as letras das músicas dos álbuns "Iron Maiden" (80) e "Killers" (81) finalmente foram publicadas nos encartes. Além disso, a discografia brasileira ganhou os CDs "Live at Donington" e o duplo "A Real Live Dead One", que compila dois albuns que eram vendidos separadamente até então.


Na apresentação do dia foram escolhidas 50 pessoas que formaram um coro para cantar com a banda a música "Heaven Can Wait". Parte desses sortudos pertencia ao fã clube brasileiro do Iron Maiden. A outra parte foi escolhida por sorteio realizado pela 89FM.

O setlist:

– Intro: Dance of the Knights
– Futureal
– The Angel And The Gambler
– Man On The Edge
– Lightning Strikes Twice
– Heaven Can Wait
– The Clansman
– When Two Worlds Collide
– 2 Minutes to Midnight
– Sign Of The Cross
– Afraid To Shoot Strangers
– Hallowed Be Thy Name
– The Evil That Men Do
-Fear Of The Dark
– Iron Maiden
– The Number of the Beast
– The Trooper
– Sanctuary

Abaixo, scans da revista 89 Rock. Para ler melhor, faça o download.





 
Abaixo uma resenha do Virtual XI feita pela 89 FM Rock, meses antes.

Abaixo, a resenha pela revista Roadie crew 13 - jan-fev 1999.

 


 

quarta-feira, 10 de março de 2021

Blaze Bayley: “não me importo de ser ou não ser indicado ao Rock and Roll Hall of Fame”


O ex-vocalista do Iron Maiden, Blaze Bayley, afirmou ao Heavy Culture que não se importa em ser excluído do Rock and Roll Hall of Fame.

Recentemente a organização indicou o Iron Maiden como um dos candidatos a entrar na turma de 2021, mas somente os membros da formação atual e os ex-membros Clive Burr, Paul Di’anno e Dennis Stratton foram incluídos, fazendo de Blaze o único membro que gravou um disco oficial do Iron Maiden a não ser indicado ao Hall da Fama do Rock.

“Bem, não é uma decisão da banda. Tem a ver com a banda, mas não foi decidido pela banda. É uma coisa da organização do Rock and Roll Hall of Fame. O mais importante é a minha amizade com os caras da banda e continuar sendo amigos deles depois de todos esses anos”, afirma Blaze.

“Eu realmente não me importo de ser nominado ou não. Para mim, sou famoso e não tenho que ser mais famoso. Tenho fãs maravilhosos no Brasil, em Portugal, por todo o mundo, e isso para mim basta. Meus fãs me apoiam e fazem minha vida possível. Vivo meu sonho porque meus fãs me apoiam e não por causa do Rock and Roll Hall of Fame”, completou o vocalista.


 Bayley foi a voz do Maiden de 1994 a 1999, cantando nos álbuns The X-Factor (1995) e Virtual XI (1998) e desde 2000 segue com sua carreira solo. Seu novo álum, War Within Me, está previsto para o próximo mês de abril.

Originalmente postado no Roadie Metal

 

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Blaze Bayley: "Man On The Edge" foi concebida a partir de um filme com Michael Douglas

 

Blaze Bayley revela como um filme de Michael Douglas – e um trabalho de entregador de jornais – ajudou a inspirar o renascimento do Iron Maiden, na esteira da saída de Bruce Dickinson.

Em depoimento à seção "How I Wrote...", na página 20 da revista Planet Rock 20, de junho/2020 (sim, é tudo ‘20’!), Blaze Bayley detalha a inspiração para "Man On The Edge", seu maior sucesso com a Donzela de Ferro. O relato, traduzido na íntegra, segue sem assinatura jornalística por se tratar de um texto em primeira pessoa:

"Quando me juntei ao Iron Maiden em 1994, Steve Harris me disse: ‘Não importa quem escreva as músicas, desde que sejam ótimas músicas do Maiden’. Àquela altura, nada havia sido composto para o próximo álbum e Steve queria um começo completamente novo, então ele me encorajou a escrever e disse: ‘Vamos ver o que acontece’.

Janick Gers tinha sido o ‘novo garoto’ antes de eu me juntar à banda, um cara muito adorável, então ele me botou debaixo de suas asas. ‘Man On The Edge’ foi escrita no home studio de sua casa em Londres. Eu tinha um caderno de letras, poemas e idéias e quando Janick começou a tocar o riff, comecei a folhear meu caderno e me lembrei dessa idéia que eu tinha para uma música baseada no filme ‘Falling Down’, com Michael Douglas [nota: lançado no Brasil como ‘Um Dia De Fúria’ em maio de 1993].

No filme, seu personagem entra na rotina de se levantar e ir trabalhar, muito embora ele, na verdade, não tenha mais seu emprego: seu orgulho não o deixa admitir que perdeu o trabalho. Aquilo realmente ressoou em mim porque quando eu era jovem, fui despedido de um trabalho como entregador de jornais. Por estar com medo de meu padrasto, eu me levantava às 7:00 todas as manhãs, deixava a casa e fingia que estava indo trabalhar, de todo modo. Então disse a Janick: ‘O que você acha disso?’ e comecei a cantar ‘Falling down’ como um refrão e isso se encaixava perfeitamente no riff dele.

Dentro de mais ou menos uma hora, tínhamos escrito a maior parte da música e quando a levamos para o restante da banda, ela simplesmente ganhou vida com Nicko McBrain, Dave Murray e Steve Harris a tocando. Tive uma incrível sensação de euforia ao observá-los dar a ela um completo tratamento Iron Maiden.

Sempre fui um grande fã do Maiden, então você pode imaginar o quão grandioso para mim foi perceber que minha idéia era boa o suficiente para ser uma parte de um álbum do Iron Maiden... e isso foi antes de eu me dar conta de que ela seria escolhida como single. Ele foi lançado em setembro/95, antes de ‘The X Factor’ sair em outubro, e foi um sucesso imediato. O single foi Top 10 no Reino Unido, liderou as paradas de rock por toda a Europa e, de fato, tirou Madonna do topo das paradas na Grécia, como descobri mais tarde.

 

Este foi um imenso momento de orgulho para mim, não apenas como compositor ao colocar minha primeira música como Número 1, mas como um fã de metal ao superar a Rainha do Pop. Nós tocamos ‘Man On The Edge’ no Top Of The Pops, em performance após o Eurythmics, outro momento de orgulho. Eu a cantei completamente ao vivo, sem qualquer tipo de grito de comando ou tentativas em animar a plateia, e então as pessoas diziam depois: ‘Por que você não a cantou ao vivo?’. Mas eu cantei!

 

Toda a experiência no Maiden foi fantástica para mim. Agora, grato, não esperava que meu tempo na banda acabasse tão rapidamente, mas, como um fã, sabia, desde o momento que me juntei a eles, que eu seria parte da história do Maiden para sempre. ‘Man On The Edge’ permanece no setlist do Maiden e ouvir Bruce Dickinson, um dos meus cantores favoritos e um cara cuja voz ajudou a definir os vocais do metal para o mundo, cantando uma música que eu co-escrevi jamais me fará sentir menos do que incrível".

FONTE: Revista Planet Rock 20 (junho/2020)

quarta-feira, 22 de julho de 2020

Iron Maiden: por que escolheram Blaze e não Michael Kiske ou Geoff Tate?


O baterista Nicko McBrain, do Iron Maiden, refletiu sobre a passagem do vocalista Blaze Bayley pela banda em recente transmissão ao vivo feita pelo canal de Aquiles Priester no YouTube. Bayley fez parte do Maiden entre 1994 e 1999, substituindo Bruce Dickinson.
Durante o bate-papo, Nicko foi perguntado se considerava Blaze Bayley, de fato, a melhor opção para substituir Bruce Dickinson. Ele também foi questionado se um vocalista como Michael Kiske, que havia acabado de deixar o Helloween e estava trabalhando com Rod Smallwood (empresário do Iron Maiden) na época, não poderia funcionar de forma mais adequada para a banda.
Nicko, então, respondeu, conforme transcrito pelo BraveWords: 
"Não me entenda mal, mas nós ouvimos milhares de pessoas. Tivemos pessoas ouvindo CDs, fitas, fotos, currículos e tudo o mais. Com relação a Michael Kiske... realmente queríamos um cantor britânico. Geoff Tate foi especulado e foi algo como: 'bem, ele é americano e essa é uma banda britânica'. Houve um pouco desse viés".

Em seguida, o baterista comentou que Blaze Bayley tinha uma performance irregular, de certa forma, durante sua passagem pelo Iron Maiden.
"O lance com o Blaze é que ele cantava muito bem em algumas noites, era brilhante. E tinham várias outras noites em que não era tão bom"


Apesar disso, os álbuns gravados com Blaze, "The X Factor" (1995) e "Virtual XI" (1998), foram elogiados por Nicko McBrain. 
"Tivemos esses dois discos, 'The X Factor' e 'Virtual XI'. E, claro, tivemos aquele esquema de divulgação com os times de futebol e tudo o mais. Ele estava em sua glória! Então, sim, fizemos dois grandes álbuns. Ame ou não, fez parte da história do Maiden e eu não interpreto isso de outra forma",
NIcko ainda afirma que adora "Sign of the Cross" e "When Two Worlds Collide", e que a produção poderia ter sido melhor.

Assista à entrevista na íntegra no player de vídeo a seguir (em inglês, sem legendas).


domingo, 3 de novembro de 2019

Blaze Bayley envia mensagem de incentivo para estudantes de Fortaleza


Que Blaze Bayley é um cara admirável pela proximidade com os fãs isso é de conhecimento de muita gente. Contudo, vez ou outra o "Messiah" consegue nos surpreender.

O último fato ocorreu com o professor de matemática Bruno Rocha e seus alunos do 3º ano do ensino médio do Colégio Manuel da Silva - Unidade Carlito Pamplona. De acordo com Bruno, o mesmo usa a vida de Blaze como exemplo de superação para seus alunos. E eis que uma postagem de incentivo no Instagram de Bruno foi não somente foi visualizado pelo vocalista, como também foi comentado pelo mesmo. Bruno sugeriu então que o próprio Blaze mandasse uma mensagem aos alunos. E para a grande surpresa do professor, o cantor respondeu.

Confira abaixo o vídeo:



Detalhe: na mesma mensagem, Blaze Bayley confirma vinda ao Brasil em janeiro de 2020 para uma turnê.

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

BLAZE Confirma Turne comemorativa na America Latina em 2020



Através das suas redes sociais a produtora Open the Road Agency - Booking & Management 
confirmou a vinda do Ex vocalista do Iron Maiden , Blaze Bayley, com sua atual turne comemorativa, celebrando 25 anos da sua passagem pela Donzela intitulada de 'XXV The X Factor Celebration Tour.' A previsão é para Janeiro de 2020 a passagem pela America Latina.

Tocando clássicos dos dois álbuns em que esteve a frente dos vocais - The X Factor e Virtual XI.
Produtoras interessadas em maiores informações, favor entrar em contato através do email: contato@openroadagency.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...